Ouroboros – Mitologia

Ouroboros - a origem

Como um dos símbolos místicos mais antigos do mundo, o ouroboros chamou a atenção de mentes curiosas em todo o mundo. Com tantas culturas tendo sua própria versão do estranho símbolo, o que poderia ter inspirado a imagem? Embora o símbolo ainda retenha um pouco de seu mistério, agora sabemos a origem aproximada do ouroboros e os pensamentos que o inspiraram.

O que é o Ouroboros?

O ouroboros é um símbolo antigo que representa uma serpente comendo sua própria cauda. O registro mais antigo do ouroboros foi encontrado em 1600 aC, no antigo Egito. O símbolo foi usado para documentar a compreensão dos egípcios sobre o sol e foi dito que representava as viagens do disco solar. Acredita-se que também represente muitas outras idéias e teorias.

Ouroboros
Ouroboros

O ouroboros é um símbolo que pode ser encontrado no “Livro Enigmático do Mundo Inferior”. Este livro foi um texto funerário que foi encontrado na tumba do jovem Rei Tut no século 14 AC.

O livro descreve principalmente Ra e sua parceria com Osiris no submundo . As duas serpentes que aparecem no texto seguram o rabo na boca. É possível que de alguma forma eles também sejam responsáveis ​​por transmitir a natureza cíclica da vida – sem começo nem fim claros.

A própria palavra ‘ouroboros’, entretanto, vem dos gregos. É uma combinação de ‘oura’, que significa cauda, ​​e ‘bora’, que significa comida. Combinados, eles traduzem aproximadamente como ‘comedor de cauda’.

Os muitos usos do Ouroboros

O Ouroboros tem sido interpretado de várias maneiras e usado por inúmeras culturas para representar as questões mais difíceis da vida. Existem também conexões entre o ouroboros e o próprio universo, significando a importância da imagem estranha.

Gnosticismo e o Ouroboros

O gnosticismo é um sistema de ideias religiosas antigas que lidam com o conhecimento e o reino do espírito, então não é surpresa que eles tenham se interessado pelos ouroboros. Uma de suas principais crenças é que a salvação só pode ser encontrada superando a ignorância, e o ouroboros é um passo na direção certa.

Para os crentes do gnosticismo, a natureza cíclica da serpente simboliza o conceito de eternidade e a própria essência do próprio mundo.

Alquimia e o Ouroboros

A alquimia também tem várias conexões com os ouroboros. Uma das mais famosas é a Crisopéia de Cleópatra.

A Crisopéia de Cleópatra é um famoso texto alquímico escrito por um filósofo, autor e alquimista egípcio. O nome verdadeiro da autora se perdeu na história, mas sabe-se que ela não é a mesma pessoa que Cleópatra VII – última governante do Reino Ptolomaico do Egito.

Crisopéia de Cleópatra
Crisopéia de Cleópatra

Cleópatra, a Alquimista, era conhecida por ter publicado a Crisopéia de Cleópatra e desenhado o famoso ouroboros que está associado a ela. O desenho mostra uma serpente comendo sua cauda. A serpente é metade branca e metade preta. Além disso, ele envolve o texto que se traduz como ‘o tudo é um’. Isso é simbólico para a interconexão que é evidente na vida. Essa representação também faz com que alguns se perguntem se ela está de alguma forma conectada ao símbolo yin-yang.

O fato de o ouroboros ter sido usado neste texto não é mera coincidência – nem sua relevância é passageira. Na alquimia, uma crisopéia é uma palavra que indica que um metal básico sofreu ‘transmutação’ em um metal nobre como o ouro. Este conceito está diretamente ligado à busca da pedra filosofal – uma substância associada à imortalidade e ao rejuvenescimento. A principal busca do alquimista era a libertação das limitações do corpo humano – um conceito que foi incorporado pelo ouroboros.

Sir Thomas Browne

Cleópatra não foi a única alquimista a fazer referência aos ouroboros em seu trabalho. Um alquimista e médico chamado Sir Thomas Browne também teve grande interesse no símbolo. Ele escreveu um tratado médico intitulado “Uma Carta a um Amigo”. Nela, ele refletiu sobre o cansativo ciclo de vida e morte e a conexão desses princípios com os ouroboros.

A Sociedade Teosófica

A Sociedade Teosófica foi fundada na cidade de Nova York em 17 de novembro de 1875. O grupo foi fundado por Helena Petrovna Blavatsky, Coronel Henry Steel Olcott e William Quan Judge. Foi fundado para servir como “um corpo não sectário de buscadores da Verdade, que se empenham em promover a Fraternidade e se esforçam para servir à humanidade”.

A sociedade era conhecida por ter uma abordagem alternativa ao espiritualismo e estudava muitas práticas místicas e ocultas. Seu selo apresentava o Ankh dentro da Estrela de Davi, que estava abaixo de uma suástica . Esses três símbolos estavam eles próprios rodeados por um ouroboros. Essa combinação poderosa serviu para simbolizar a busca pela verdade e a luta para compreender a interconexão do universo.

O Ouroboros na mitologia

O ouroboros é talvez o mais intrigante em suas muitas conexões com a mitologia. Parece que o símbolo é usado por muitas culturas na história antiga que olhavam para a figura da serpente como uma forma de explicar a vastidão e a interconexão do universo. Existem muitas lendas que incorporam os ouroboros em suas tradições orais – seja direta ou figurativamente.

Jormungandr

Existem muitas interpretações diferentes dos ouroboros na mitologia, mas uma das mais óbvias é o conto de Jormungandr da mitologia nórdica.

Jormungandr
Jormungandr

Jormungandr era uma serpente – também conhecida como a Serpente de Midgard – que cresceu e se tornou tão grande e poderosa que foi capaz de circundar Midgard por inteiro e agarrar sua cauda entre os dentes. Isso foi pensado para manter o mundo unido. Na verdade – a profecia diz que o mundo só vai acabar quando Jormungandr finalmente soltar sua cauda, ​​o que dará início ao início do Ragnarok.

Mitologia nórdica

Além de Jormungandr, a mitologia nórdica também nos conta a história de um rei que deu a sua filha um pequeno verme (um monstro serpente) como presente para sua filha. Eventualmente, ele fica tão grande que circunda a casa da menina. O rei promete a mão de sua filha em casamento a qualquer um que for capaz de matar a besta. Eventualmente, o feito é completado por Ragnar Lodbrok, que vai se casar com a princesa.

Mais tarde, Ragnar é conhecido por ter tido um filho com outra mulher. Este filho nasce com a imagem de uma cobra branca em seu olho que circula em torno da íris e está mordendo a própria cauda. O filho foi, portanto, nomeado Sigurd Snake-in-the-Eye.

Shiva

Freqüentemente, também há referências ao estranho símbolo na cultura indiana. Freqüentemente, eles vêm na forma de um halo animal que circula em torno de alguma coisa. Na maioria das vezes era o deus Shiva – uma escolha adequada. Shiva era conhecido por representar a dualidade da vida, assim como o próprio ouroboros. Shiva é conhecido por espelhar o simbolismo do círculo em que costuma aparecer. Eles expressam morte e renascimento, criação e destruição e eternidade em geral.

A conexão da Via Láctea

Costuma-se pensar que o ouroboros foi inventado como uma referência à Galáxia da Via Láctea e a conexão que ele tem com muitas das respostas de vida que buscamos. Existem muitas referências na mitologia à ‘serpente de luz’ que supostamente viveu nos céus. Esta serpente se assemelha ao ouroboros e a localização é uma referência óbvia à galáxia. Há quem se pergunte se a conexão deste símbolo com o espaço significa que nossos ancestrais foram capazes de responder a perguntas que ainda guardam mistério para muitos hoje.

Descrição do Primeiro Ser de Platão

Em sua obra Timeu, Platão se refere ao ouroboros como a primeira criatura viva que existe. Como o primeiro, era o mais perfeito por ser autossuficiente. O ouroboros não tinha olhos porque fora de si não havia nada para ser visto. Não tinha ouvidos porque não havia nada fora de si para ouvir. Esta criatura era um ser circular e comedor de si mesmo. Apesar de sua natureza autocentrada, no entanto, não tinha órgãos que lhe permitissem digerir, pois nada que pudesse entrar em seu sistema existisse fora de si mesmo. Ele também não tinha a capacidade de respirar por motivos semelhantes.

O único dos sentidos que esta criatura recebeu foi a capacidade de se mover e se contorcer em sua natureza circular que representava a essência de seu ser. Essa história é freqüentemente citada por aqueles que refletem sobre os mistérios dos ouroboros nos dias modernos.

O Ouroboros na Ciência

A estrutura do composto benzeno foi supostamente descoberta por um químico chamado August Kekule quando ele estava estudando seriamente a estrutura do átomo na tentativa de encontrar uma resposta. Frustrado, ele finalmente tirou uma soneca perto da lareira. Enquanto sonhava, ele explorou a imagem de átomos trabalhando juntos e eventualmente parecendo se mover e se contorcer como cobras. De repente, uma das cobras agarrou sua cauda com a boca – fazendo Kekule acordar. Essa visão do ouroboros na forma de átomo inspirou Kekule a continuar trabalhando em suas equações até que pudesse provar a forma do benzeno.

Hoop snake – Mitologia - Universo Anthares

Hoop snake – Mitologia - Universo Anthares

[…] sua cauda com as mandíbulas e rolar atrás de sua presa como uma roda; que é semelhante ao ouroboros na mitologia grega ou o tsuchinoko no Japão. Em uma versão do mito, a cobra se endireita no […]

Comments are closed.