O Silêncio

Primeiro volume das crônicas que narram os conflitos entre a Família Hakal e o clã QaFuga.

Este é o pano de fundo para “aquele que o enfrentará em campo aberto”, o personagem indicado nas profecias milenares de Fonte Azul.

Acompanhe a história de dois jovens impedidos de se amar por uma força misteriosa e envoltos em lendas, profecias e traições.

Oferta!

R$20,00

Primeiro volume das crônicas que narram os conflitos entre a Família Hakal e o clã QaFuga.

Este é o pano de fundo para “aquele que o enfrentará em campo aberto”, o personagem indicado nas profecias milenares de Fonte Azul.

Acompanhe a história de dois jovens impedidos de se amar por uma força misteriosa e envoltos em lendas, profecias e traições.

Descrição

A fantasia gira em torno da história de amor de dois jovens que se encontram pela primeira vez quando ainda crianças, sem saber que são de povos historicamente inimigos. Tudo acontece em um lugar onde misteriosamente não existe, em absoluto, nenhum som, o que impede os dois até mesmo de perceberem que não falam o mesmo idioma. O detalhe é que ao saírem de lá, poucos minutos depois suas memórias sobre aquele período são bloqueadas. Apesar da falta de memória, os sentimentos persistem, impulsionando os jovens a algo que eles não sabem o que é e que cresce com eles. Há dois povos em especial na trama: o clã QaFuga e a família Hakal.

O clã QaFuga é o único com a característica sanguínea que suporta as QaNai (parasitas com aspecto de sanguessuga). A partir de uma certa idade, na qual o “modo Nai” é alcançado (a capacidade de enrijecer a pele tornando-a mais resistente que madeira), a QaNai pode assumir controle do corpo ao se sentir em perigo, deixando o hospedeiro como mero expectador. A família Hakal, tal como os QaFuga, tem suas próprias criaturas. Elas são chamadas “hakas”, uma espécie de lagarto enquanto ainda pequenos, mas tornariam-se como dragões se conseguissem envelhecer o suficiente. Enquanto a união entre QaFuga e QaNai é interna, a união entre hakal e haka é externa.

Os protagonistas aprendem o amor da forma mais pura e ingênua, e é esse amor que rega a história do começo ao fim. A história é regada a profecias e misticismo, que faz cada tipo de leitor ter uma impressão diferente da proposta, se apropriando da narrativa.

Deixe uma resposta 0