Harpia – Mitologia Grega

Cuidado com os ventos fortes que viajam a velocidades alarmantes durante a noite. Com eles vêm os cães de Zeus para punir os malfeitores. Mais rápidas do que os ventos mais temíveis e mais rápidas do que as mais temidas aves de rapina, as Harpias buscam punir aqueles que prejudicaram seus vizinhos ou os próprios deuses. Se você vir o daimone alado vindo em sua direção, já é tarde demais. Ele veio para torturá-lo antes de enviá-lo ao seu destino final – o Tártaro.

O que é uma harpia?

A Harpia é uma criatura mítica que surgiu da mitologia grega. Pensa-se que eram originalmente espíritos do vento que, com o tempo, se transformaram nas temíveis criaturas que conhecemos hoje. Existem algumas teorias de que eles foram feitos para personificar a natureza destrutiva do vento. Outros, entretanto, os vêem como uma força criada para mostrar o poder dos deuses – especificamente Zeus – de quem eles deveriam receber ordens.

Harpias
Harpias

Independentemente de sua origem, as Harpias eram conhecidas por inspirar medo e terror. Existem pelo menos quatro Harpias diferentes que foram nomeadas na literatura, embora haja pelo menos seis irmãs (devido às lendas das filhas de Aioros).

As Harpias eram conhecidas por terem o poder dos ventos rápidos e eram capazes de voar a velocidades incríveis que não podiam ser comparadas. Eles eram frequentemente enviados por Zeus para punir aqueles que eram desobedientes e eram conhecidos por atormentar suas vítimas enquanto as carregavam para o Tártaro.

Essa lenda era freqüentemente usada para explicar desaparecimentos estranhos e repentinos. Quando uma pessoa desaparecia da terra e não podia ser encontrada, costumava-se dizer que as Harpias eram as responsáveis ​​pelo infortúnio. Dizia-se que esse era o destino das filhas do Rei Pandaerus – o que só serviu para reforçar o medo em torno dessas estranhas criaturas. As Harpias eram conhecidas por serem violentas e cheias de ira. Eles também foram hipotetizados como sendo guardiões do submundo junto com monstros como Scylla, Chimera e as Górgonas.

No entanto, as Harpias nem sempre puniam suas vítimas com uma viagem violenta ao Tártaro. Eles também eram conhecidos por importunar suas vítimas roubando comida e sujando os restos de comida. Este método de punição é listado pelo menos duas vezes na literatura – uma na história do rei Fineu e outra na história dos troianos.

Casa das harpias

Pensa-se que as harpias podem ter residido em várias áreas, incluindo as estrofadas (plural), perto da entrada de Orcus ou de uma caverna de Creta. Destes locais, o mais popular parece ser Strofades (singular).

Strophades, onde as Harpias vivem
Strophades, onde as Harpias vivem

Diz-se que as Harpias passaram a residir em Strofades quando foram descobertas que torturavam um rei Finneu cego, roubando sua comida antes que ele pudesse comer. Os Agronautas apareceram na ilha e viram o que estava acontecendo. Quando falaram com o rei, descobriram que o rei Fineu tinha informações vitais para a missão do Agronauta e só as daria em troca do resgate das Harpias.

Dois dos Argonautas, Zetes e Calais, perseguiram as Harpias até as Estrofadas antes que a mais rápida das Harpias (Ocypete) desabasse de exaustão. Ela orou aos deuses para ser resgatada dos Argonautas. Em resposta, Iris apareceu e impediu Zetes e Calais de matar as Harpias. Ela prometeu que o rei Fineu nunca mais seria incomodado pelas criaturas.

Os Argonautas voltaram à sua missão e as Harpias permaneceram na ilha. Assim, as ilhas foram chamadas de Strofades (que significa Ilhas da Virada) porque os Argonautas foram rejeitados antes de matar as Harpias.

Aparência física

Existem duas descrições rivais das Harpias. Existem algumas fontes que afirmam que as Harpias eram lindas criaturas com cabeça de donzela e corpo de ave de rapina. Eles também foram retratados como criaturas de grande beleza. Muitas vezes eram retratadas como belas mulheres com asas (e às vezes garras e garras para pés e mãos).

No entanto, fontes rivais afirmam que as Harpias eram criaturas terríveis com feições feias. Dizia-se que tinham um rosto tão terrível que nem mesmo podia ser comparado ao de uma gárgula e eram falados com desdém. Na verdade, alguns escritores os descreveram como ‘abutres humanos’.

Esta versão da Harpia (que é a mais popular), retrata as Harpias com rostos sempre pálidos de fome e especialmente duros na aparência. Freqüentemente, são descritos como pessoas de má higiene e com um fedor desagradável que é impróprio.

Aqueles que acreditam na segunda descrição das Harpias às vezes conectam essas criaturas em relação às Górgonas. Diz-se que esses dois grupos de irmãs eram considerados primos – o que poderia explicar de onde veio o mito das terríveis feições de uma harpia.

Alianças e conexões míticas

Zeus

A mitologia freqüentemente conecta as Harpias a Zeus e pensava-se que elas freqüentemente obedeciam às ordens de Zeus. Ele é conhecido por tê-los usado para punir o rei Fineu e as filhas do rei Pândaro.

Íris

É sabido que Iris (deusa dos arco-íris e mensageira dos deuses) é irmã das Harpias, tendo também descendentes de Thaumas e Electra.

Iris, irmã das Harpias
Iris, irmã das Harpias

Ela também é a deusa responsável por garantir que as vidas das Harpias fossem poupadas quando fossem perseguidas até as Strofades pelos Argonautas.

Thaumas

Thaumas era um deus do mar que nasceu de Ponto e Gaia. Ele foi pensado para ser casado com Electra, e ter dado à luz as Harpias com ela.

Typhon

Typhon era conhecido por ser uma das criaturas mais mortais da mitologia grega. Histórias alternativas afirmam que ele – não Thaumas – foi o pai das Harpias. Esta versão da história provavelmente vem da mesma versão que afirma que as Harpias eram criaturas feias que eram primas das Górgonas.

Electra

Electra era uma oceanida que se casou com o deus do mar Taumas. A maioria das histórias que fazem referência ao nascimento das Harpias atribuem a ela o fato de ser a mãe.

Harpias Famosas na Mitologia

Aello

Aello é uma das harpias descritas por Hesíodo em seus escritos. Ela é descrita como uma bela donzela por Hesíodo, embora outros que falam dela descrevam a Harpia como uma criatura asquerosa.

Seu nome significa ‘tempestade rápida’. Ela também é reconhecida na literatura às vezes como ‘Aellopus’ ou ‘Nicothoe’.

Pensa-se que ela era a mãe dos corcéis imortais, Balius e Xanthus. Outras fontes, no entanto, atribuem a mesma descendência a Celaeno ou Podarge. Diz-se também que Aello foi mãe de Xanthus (cavalo presumivelmente diferente) e Podarkes – os cavalos dos parentes atenienses Erechtheus. Esses cavalos foram pensados ​​para serem gerados por Boreas (o Vento Norte).

Ocypete

Ocypete é a segunda harpia retratada nos escritos de Hesíodo. Seu nome se traduz como ‘asa rápida’ e ela era conhecida por ser a mais rápida de todas as Harpias e todas as criaturas aladas, embora ela tenha ficado exausta quando perseguida pelos Boreads na história das Harpias e do Rei Fineu.

Seu nome às vezes também é soletrado Ocypode (que significa pé veloz), ou como Ocythoe (que significa corredor veloz).

Celaeno

Celaeno também foi reconhecido como uma irmã harpia. Seu nome se traduz como ‘o escuro’. Ela também é encontrada como Celeno, Kelaino e Calaeno.

Na ilha de Strophades, os troianos encontraram as harpias quando mataram seu gado e prepararam um banquete. As Harpias desceram dos céus e devoraram o banquete, sujando todos os restos que ficaram para trás para que não pudessem ser consumidos. Mais uma vez, os troianos prepararam um banquete – desta vez em uma área fechada e mais protegida – mas, para sua consternação, as Harpias desceram novamente e devoraram a comida. Finalmente, os troianos se prepararam para lutar contra as criaturas. Eles foram parados quando Celaeno fez uma profecia que os deixou gelados. Ela amaldiçoou a missão deles e disse-lhes que suas tropas seriam amaldiçoadas por uma fome tão grande que seriam obrigados a comer suas próprias mesas por causa do ataque injusto às Harpias. Os troianos ficaram aterrorizados e fugiram da ilha às pressas.

Podarge

Podarge é outra irmã harpia. Acredita-se que ela tenha formado uma união com Zéfiro (o deus do Vento Oeste) e seja a mãe de Bálio e Xanto (os cavalos imortais de Aquiles ).

Curiosamente, Iris (irmã das Harpias e da deusa do arco-íris) às vezes era chamada de Podarge, fazendo alguns se perguntarem se havia uma conexão mais profunda.

Harpias na Mitologia

As Filhas do Rei Pandareu são Punidas

A história das Filhas de Pandareu começa quando o Rei Pandareu decide roubar um cachorro de bronze de Zeus. Quando Zeus descobre quem é o responsável pelo roubo, ele mata o rei Pandareu e sua esposa, mas permite que as filhas vivam. Afrodite cria as meninas até que elas atinjam a idade adulta e possam se casar. A deusa viajou ao Olimpo para pedir a Zeus sua bênção para arranjar o casamento das meninas.

Enquanto Afrodite está fora, as Harpias vêm e roubam as meninas e as entregam às Fúrias. As meninas são torturadas e forçadas a servirem para o resto de suas vidas por causa dos crimes de seu pai.

Rei Fineu é punido

Zeus certa vez concedeu ao rei Fineu o dom de profecia. No entanto, quando o Rei usa o dom contra os deuses, Zeus fica com raiva e decide punir o tolo Rei.

O rei Fineu foi cegado e obrigado a viver em uma ilha. Zeus enviou as Harpias para torturar o Rei roubando toda a sua comida antes que ele tivesse a chance de comer. Quaisquer restos que eles deixaram para trás foram sujos, aumentando ainda mais a situação do rei.

Anos depois, os Argonautas se aventuraram na ilha e descobriram o rei. Eles se ofereceram para afastar as Harpias dele em troca de informações vitais para ajudar em sua jornada. O rei concordou e uma armadilha foi armada para as Harpias.

As Harpias, entretanto, eram muito rápidas. Eles voaram pela terra e conseguiram chegar às Strofades antes de desabar de exaustão. Eles oraram aos deuses para ter misericórdia deles e seu clamor foi atendido. Iris apareceu e disse aos Agronautas para poupar a vida das Harpias. Em troca, eles não torturariam mais o rei Phineus.

Os Trojans são amaldiçoados

No conto de Enéias e os Troianos, as tropas encontram as Harpias na ilha de Strofades. Eles tentam fazer um banquete na ilha, mas são interrompidos quando as Harpias descem e devoram toda a refeição. Isso acontece novamente e os homens decidem lutar contra as Harpias. Por seu ataque injustificado (já que Strofades pertencia às Harpias), as Harpias amaldiçoaram os Troianos e os fizeram fugir aterrorizados.

Origem do mito da harpia

As origens dos mitos das Harpias permanecem, na melhor das hipóteses, especulativas. Muitos acreditam que a criatura Harpia foi simplesmente criada para descrever a natureza colérica dos fortes ventos de tempestade (que geralmente acompanhavam os relâmpagos). Essa combinação pode ter sido a base para a criação das Harpias e seus laços com Zeus. Como Zeus era considerado o deus mais poderoso, faz sentido que a ferocidade das tempestades fosse atribuída à sua vontade.

Também é possível que a Harpia tenha sido simplesmente criada para servir como um lembrete moral. Vemos essas criaturas sendo associadas a punir aqueles que são culpados de crimes e aqueles que agiram contra a vontade de Zeus. Sua criação pode ter surgido da necessidade de encontrar uma maneira de expressar até que ponto a raiva de Zeus poderia chegar.

Outra explicação para a criação dessas criaturas poderia ter sido servir como uma ferramenta de aprendizado. Sempre que uma pessoa desaparecia de uma sociedade, muitas vezes era atribuída às Harpias. Isso torna provável que as Harpias tenham sido criadas para explicar casos de pessoas desaparecidas e servir como um aviso do que poderia acontecer quando uma pessoa não era virtuosa ou vagou muito longe por conta própria.

Leia mais sobre a Mitologia Grega.